Arquivo do mês: outubro 2007

Compasso

De tantas caminhadas, resta-me o filme da memória rodando em rotação alterada, câmera lenta no percurso da alma.   De tantas imagens, resta o sentimento de incompletude transubstanciado no toque ausente, desejado, doloridamente falho.   Dos tantos amores, restam as … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 2 Comentários

Compêndio da Geografia do Teu Corpo

   Tomo II –  Ponto de contato       A tua nuca me fascina; ponto de contato no horizonte imediato, ponto de fuga da realidade.   Realidade única: a nuca que me dissolve, que me absorve, que me absolve … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 1 Comentário

Diário

  16 de maio — Hoje, quando caminhava para o colégio foi que percebi. A foto dele, na capa do caderno, apertada contra meu peito dava um calor bom… Comecei a pensar nele. Lindo! Mas também é feio, sei lá. … Continuar lendo

Publicado em Contos | 1 Comentário

Compêndio da Geografia do Teu Corpo

Tomo I – Abertura Viajo no universo do teu corpo, entre níveas constelações, explosões estelares, nimbos róseos espetaculares.   Absurdas curvaturas no tempo de te sentir mulher (ainda quase menina) perfazem a arquitetura única do delírio.   De lírios o … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 1 Comentário

Nua & Crua

Estupidifica-me a palavra nuaqual cadáver sem expressão.Palavra-corpo morto,solto no universo da língua.Amo a palavra viva,pulsante,infinita pedra no sapato— ainda que ínfima,fácil, artigo barato.Quero a palavra maquiadanos tons da auroraou nos estertores sombriosdas grotas,mas a quero plena de vida,qual beijo que … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 6 Comentários

Antro-poética

  Das furnas da madrugada, dos antros dos botecos, surge, lívida e louca, a poética!   Das carrancas dos pais da Pátria, das leis e das penas severas, dos códigos sociais irracionais surge, lívida e louca — a miséria!   … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 5 Comentários

Ofício de Poeta

  Me visto no hábito de poeta em raras manhãs de magia e saio a palmilhar a cidade do nada, do tudo, a fictícia cidade do mundo. Nas roupas rotas, expostas as lanhaduras do tempo. No rosto os desencantos – … Continuar lendo

Publicado em Poesia | 5 Comentários